Audiência de Instrução sem medo! Audiência Trabalhista

Como no começo da minha carreira não tive nenhum “guru” digamos assim, que pacientemente me apontasse o “caminho das pedras” nas audiências de instrução, digamos que por algum tempo, desenvolvi uma ansiedade pré audiência de instrução. Ficava muito nervosa, e acho que transparecia isso.
Depois de tantas audiências ao longo de trezes anos de advocacia, acho que consegui uma boa experiência e que irei compartilhar com os colegas recém formados, ou recém iniciados na prática da advocacia, e estudantes de direito, por meio de pequenas dicas.
As dicas são uma visão pessoal, portanto, outros colegas podem discordar ou mesmo, acrescentar outras, mas acho que toda a ajuda é bem vinda não é?
Farei um apanhado dividindo por especialidades.
Vou iniciar com a audiência trabalhista, pois comporta inúmeras peculiaridades que só quem atua no dia à dia da área conhece, e pode livrar os colegas de gafes e prejuízos processuais significativos.
1o) Chegue antes do horário. Pelo menos vinte minutos se possível. A justiça do trabalho não tolera atrasos dos advogados e partes, apesar de designar audiências de cinco em cinco minutos;
2o) Confira sempre o local onde a audiência será realizada. Pode haver mudança repentina de vara ou mesmo, a “criação” de salas especiais;
3o) Verifique a pauta de audiência e confira se não houve antecipação ou retirada da audiência de pauta;
4o) Sintonize-se com o cliente. Repasse informações básicas para evitar confissões por “esquecimento” de determinados fatos;
5o) Instrua as testemunhas! De preferência um dia antes das audiências. Repasse informações e explique detalhadamente o que ocorre dentro de uma sala de audiências. Diga que o juiz (aza) não irá “morder”;
6o) Cumprimente as partes e os servidores. Simpatia quebra a animosidade;
7o) Verifique o que a parte pretende provar e o que o seu cliente deve provar, e busque a confissão da parte contrária ou tente extrair das testemunhas a prova pretendida;
8o) Não insista em questionar testemunha mentirosa. Ela irá mentir o tempo todo. Contudo, tente caracterizar a mentira por outros meios. Por contradição com outra testemunha, por exemplo;
9o) A testemunha suspeita ou impedida, deve ser contraditada após sua qualificação perante o Juízo, e a contradita deve ser justificada e comprovada por testemunha ou confissão;
10o) Proteste e faça constar nos autos. Se alguma prova foi produzida ou indeferida sem sua concordância, a falta de protesto te impede de recorrer sobre a matéria segundo às práticas da Justiça do Trabalho;
11o) Razões finais orais, somente se houver ocorrido algo inusitado em audiência. Senão, deixe seus argumentos para recurso;
12o) Por fim, não pergunte coisas que não tem nada à ver com a controvérsia. Somente causa irritação do Juízo. Ao contrário, preste muita atenção nas respostas dadas e certifique-se, antes de perguntar, se a questão já não foi respondida.
Espero que esse post ajude. Se tiverem outras dúvidas, deixem comentários e reunirei todas e farei outro post ou esclarecerei no meu instablog @li_girlboss_.
Beijos,

Deixe um comentário